São Paulo
Local:
Instituto Tomie Ohtake
Rua Coropé, 88
Pinheiros - São Paulo
(11) 3814-0705
Horário:
das 11h às 20h
$
Grátis
Artes Visuais, Exposição
Tomie Ohtake Brasa Rubor

Um círculo vermelho. Encontro de uma cor primária com a mais elementar das formas da geometria euclidiana. Apenas isso. Ou tudo isso.

Para os geômetras, um círculo é uma ideia abstrata sempre pronta para usar. Para que ele exista e esteja em discussão, basta que se diga: “um círculo”. E há artistas que empregam os círculos, quadrados e outras formas dessa mesma maneira, retirando-os de uma prateleira de ideias plásticas conhecidas e disponíveis. Para Tomie Ohtake, no entanto, um círculo precisa ser conquistado, traçado como se estivesse sendo feito pela primeira vez. Nas primeiras décadas de sua produção (anos 1950 e 1960), ele emerge aqui e ali, pontualmente, além de insinuar-se em algumas curvaturas e pinceladas; depois (décadas de 1970 e 1980), começa a aparecer pela metade, delineando trechos de formas e composições; em seguida (1990 em diante), torna-se mais e mais presente, englobando pinturas inteiras em uma miríade de texturas, vibrações, brilhos e contornos. O círculo – forma sintética que condensa infinitas associações (planetas, organismo, células, estrelas, espíritos, divindades, afetos…) – é seu destino.

O vermelho também se inunda de simbolismos. Em sentido estrito, poderia até ser o que enxergamos em determinado intervalo de frequências do espectro eletromagnético da luz, mas é muito mais, antes e depois disso. No Japão, onde nasceu Tomie Ohtake, vermelho chama-se “aka”, cujo ideograma alude à fogueira que arde em brasas.
No caso do Brasil, a nação deve seu nome à vermelhidão da madeira cujo pigmento assemelha-se ao queimar do fogo. Para a língua espanhola, vermelhidão tem relação com enrubescer: resultado do sangue que sobe à superfície da face em razão da intensidade dos esforços físicos ou das emoções. Uma cor, portanto, que se nomeia por analogias e metonímias do calor. Essa digressão acerca do teor evocativo da cor é pertinente à poética de Tomie Ohtake, pois para ela as cores sempre transbordaram o seu entendimento como fenômeno físico e visual.

Esta exposição é um ensaio sobre a capacidade de Tomie Ohtake de expandir o sentido das formas e cores mais elementares. Sua capacidade de – sem nomear ou descrever figuras específicas – permear suas pinturas e gravuras de uma enorme gama de sentidos evocativos.

Essa capacidade decorre da implicação do corpo e do gesto como veículos para o fazer artístico. Expande-se, ainda, pela gama de associações sinestésicas e simbólicas que nós, o público, carregamos em nossas memórias atávicas. Nesse enlace, a pesquisa pictórica de Tomie Ohtake, eminentemente abstrata, trança, mesmo em imagens aparentemente similares como as aqui reunidas, um variado repertório de atmosferas que abrangem do calor à imensidão; do silêncio ao erotismo.

Um círculo vermelho. O óvulo e a supernova. O começo e o fim.

Até 28 de abril 
De terça a domingo, das 11h às 20h

Envie para um amigo!

Artes Visuais
Exposição À Nordeste
Artes Visuais
Exposição À Nordeste
À Nordeste procura entrecruzar reflexões sobre o Brasil a partir da produção simbólica do Nordeste numa perspectiva de suas singularidades regionais e da radicalidade de sua dimensão sensível. Um olhar sobre a história da região que revela dimensões vertebrais da formação e da contemporaneidade do Brasil e de suas infinitas pluralidades. Reunindo um conjunto significativo […]
LOCAL
Artes VisuaisExposição
ACERVO EM TRANSFORMAÇÃO: MUSEUM OF CONTEMPORARY ART CHICAGO
Artes VisuaisExposição
ACERVO EM TRANSFORMAÇÃO: MUSEUM OF CONTEMPORARY ART CHICAGO
Acervo em transformação é o título da exposição de longa duração da coleção do MASP. Os trabalhos são expostos nos cavaletes de cristal — placas de vidro encaixadas em um bloco de concreto. Os cavaletes de cristal ficam dispostos em fileiras na sala ampla, livre de divisórias, do segundo andar do museu. Retirar as obras […]
LOCAL
CATEGORIAS
Contato
para dicas:
para anunciar: