São Paulo
Local:
MASP
Avenida Paulista, 1578
Bela Vista - São Paulo
(11) 3251-5644
Horário:
das 10h às 18h; terças das 10h às 20h
$
R$ 40 (inteira); R$ 20 (meia-entrada); Grátis às terças
Artes Visuais, Exposição
Tarsila Popular

Tarsila do Amaral (Capivari, SP, 1886-São Paulo, 1973) é uma das maiores artistas brasileiras do século 20 e figura central do modernismo. Esta é a mais ampla exposição já dedicada à artista, reunindo 92 obras a partir de novas perspectivas, leituras e contextualizações.

De família abastada, de fazendeiros do interior de São Paulo, Tarsila desenvolveu seu trabalho com base em em vivências e estudos em Paris a partir de 1923. Por meio das aulas com André Lhote (1885-1962) e Fernand Léger (1881-1955), aprendeu a devorar os estilos modernos da pintura europeia, como o cubismo, para digeri-los e, de maneira antropofágica, produzir algo singular. É importante chamar atenção para a noção de antropofagia, criada por Oswald de Andrade (1890-1954): um programa poético através do qual intelectuais brasileiros canibalizariam referências culturais europeias com o objetivo de digeri-las e criar algo único e híbrido, além de incluir elementos locais, indígenas e afro-atlânticos.

De volta ao Brasil, declarou: “Sou profundamente brasileira e vou estudar o gosto e a arte dos nossos caipiras. Espero, no interior, aprender com os que ainda não foram corrompidos pelas academias”.

O enfoque da exposição é o “popular”, noção tão complexa quanto contestada, e que Tarsila explorou de diferentes modos em seus trabalhos ao longo de toda a sua carreira. O popular está associado aos debates sobre uma arte ou identidade nacional e a invenção ou construção de uma brasilidade. Em Tarsila, o popular se manifesta através das paisagens do interior ou do subúrbio, da fazenda ou da favela, povoadas por indígenas ou negros, personagens de lendas e mitos, repletas de animais e plantas, reais ou fantásticos. Mas a paleta de Tarsila (que serve de inspiração para as cores da expografia) também é popular: “azul puríssimo, rosa violáceo, amarelo vivo, verde cantante”.

Boa parte da crítica em torno de Tarsila feita até hoje no Brasil enfatizou suas filiações e genealogias francesas, possivelmente em busca da legitimação internacional da artista, mas assim marginalizando os temas, as personagens e as narrativas populares que ela construiu. Hoje, após bem-sucedidas mostras nos Estados Unidos e na Europa, podemos olhar para Tarsila de outras maneiras. Nesse sentido, os ensaios e comentários sobre suas obras incluídos na exposição e no catálogo são elementos fundamentais deste projeto. Não por acaso a polêmica pintura A negra recebe atenção especial dos autores e é um trabalho central na mostra.

Tarsila popular não busca esgotar essas discussões, que levam em conta também questões de raça, classe e colonialismo, mas apontar para a necessidade de estudar essa artista tão fundamental em nossa história da arte a partir de novas abordagens.

Esta exposição faz parte de uma série que o MASP organiza reconsiderando a noção de “popular”: desde A mão do povo brasileiro 1969/2016 e Portinari popular, em 2016, até Agostinho Batista de Freitas, em 2017, e Maria Auxiliadora, em 2018. Tarsila Popular é organizada no contexto de um ano inteiro dedicado a artistas mulheres no MASP em 2019 sob o título de Histórias das mulheres, histórias feministas. A exposição dialoga com duas outras dedicadas a artistas que exploraram a noção do popular de diferentes maneiras: Djanira: a memória de seu povo, até 19 de maio, e Lina Bo Bardi: Habitat, até 28 de julho.

Tarsila popular tem curadoria de Fernando Oliva, curador do MASP.

Até 28 de julho
Quarta a domingo, das 10h às 18h; Terças das 10h às 20h

Envie para um amigo!

Artes VisuaisExposição
LANDMANN – TÊXTEIS PRÉ-COLOMBIANOS
Artes VisuaisExposição
LANDMANN – TÊXTEIS PRÉ-COLOMBIANOS
Esta é a primeira de duas exposições dedicadas ao comodato MASP Landmann, que chegou ao museu em 2016, onde permanecerá por um período de dez anos. São 906 peças incluindo têxteis, objeto desta mostra, além de cerâmicas e metais. Ao longo de mais de cinquenta anos, Oscar e Edith Landmann reuniram uma das mais representativas […]
LOCAL
CinemaExposição
SALA DE VÍDEO: Laura Huertas Millán
CinemaExposição
SALA DE VÍDEO: Laura Huertas Millán
Laura Huertas Millán (Bogotá, Colômbia, 1983) é uma artista e cineasta franco-colombiana que, através de seu trabalho, explora temas como a etnografia, o exotismo, a história política, a ecologia e a ficção científica. Seus filmes têm participado das seleções oficiais do Festival de Cinema de Toronto, Locarno, Paris (Cinéma du Réel), Turim, Cartagena, Havana, Cidade […]
LOCAL
Exposição
Exposição Vaivém
Exposição
Exposição Vaivém
A exposição investiga as relações entre as redes de dormir e a construção da identidade nacional no Brasil. Quando a rede – criada por diferentes povos originários ameríndios – passou a ser associada de maneira direta com o território brasileiro e a noção de brasilidade? A exposição caracteriza-se por seu caráter trans-histórico, reunindo artistas de distintos […]
LOCAL
Artes VisuaisExposição
Björk Digital
Artes VisuaisExposição
Björk Digital
O MIS recebe a mostra internacional Björk Digital. Na exposição-instalação, tecnologia e arte se unem para ilustrar de forma contemporânea e artística as imagens poéticas das músicas da cantora islandesa Björk. A mostra, que estreou em Sydney em 2016 e já passou por Tóquio, Barcelona, Cidade do México, Moscou, Montreal, Londres e Los Angeles, entre […]
LOCAL
CATEGORIAS
Contato
para dicas:
para anunciar: