São Paulo
Rapidinha com o Uia: Juliana Perdigão
Por: Uia Diário
14 de maio de 2019


juliana perdigão

Juliana Perdigão canta e toca clarinete, clarinete baixo e flauta. Em seu trabalho solo ou em colaboração com outros artistas e grupos. Gente como Tom Zé, Tulipa Ruiz, Jards Macalé, Ava Rocha, Ná Ozzetti, Rodrigo Campos e Romulo Fróes.

Em 2012, lançou seu primeiro álbum solo, “Álbum Desconhecido” (YBmusic/Natura Musical), e em 2013 dedicou-se a trabalhar em tempo integral no Teat(r)o Oficina, primeiro como musicista e depois como atriz. Três anos depois voltou ao estúdio para trabalhar em seu segundo álbum, “Ó” (2016), (YBmusic/Natura Musical), com produção de Romulo Fróes.

“Folhuda” (Red Bull/Circus), o terceiro disco solo, veio em janeiro deste ano, produzido por ela própria e Thiago França, e muito bem de parcerias nas letras e nas gravações: as 12 faixas são de autoria de Juliana, poemas musicados em parceria com Arnaldo Antunes, Oswald de Andrade, Paulo Leminski, Angélica Freitas, Murilo Mendes, Bruna Beber, Renato Negrão e Fabrício Corsaletti; e o disco conta com participações de Arnaldo Antunes, Lucas Santtana, Ava Rocha, Angélica Freitas, Cecília Lucchesi, Iara Rennó e Tulipa Ruiz.

Juliana acaba de lançar o primeiro vídeoclipe desse trabalho: “Mulher Limpa”. A faixa é um poema de Angélica Freitas, publicado no segundo livro da autora, Um útero é do tamanho de um punho (2002), cujo tema central é a mulher. Carol Castanho, Marcelo X e Sara Lana foram os diretores do clipe, que traz imagens coletadas a partir de uma pesquisa realizada na internet sobre mulheres e publicidade. Clique aqui pra assistir e confira abaixo a Rapidinha que fizemos com ela:

Uia: Qual a boa em São Paulo?
Juliana Perdigão: Andar pelas ruas do Centro, caminhar na Avenida Paulista fechada domingo à tarde, SP na Rua, Virada Cultural, Feiras Livres, Aska Lamen, Pinacoteca, Masp, Teatro Oficina, Casa do Mancha, Casa de Francisca, Sescs.

Uia: E uma roubada?
JP: Ir pra qualquer lugar entre 18h e 19h.

Uia: Uma trilha sonora pra São Paulo.
JP: Ladeira da Memória, Grupo Rumo.

Uia: Qual o último show que você viu na cidade?
JP: Foi teatro, Black Brecht, no Sesc Pompeia.

Uia: O que te tira o sono em SP?
JP: Pessoal que volta bêbado das baladas na Matarazzo e fica falando na porta de casa.

Uia: Alguma solução pra voltar a dormir em paz?
JP: Sonífero, acostumar com protetor auricular, extinção do Villa Country.

Uia: Um rosto e/ou voz pra São Paulo.
JP: Itamar Assumpção, Mano Brown.

Uia: Um espetáculo que você gostaria de ver na cidade.
JP: Robert Wyatt.

Uia: Qual bairro você homenagearia numa canção?
JP: Bixiga.

Uia: Uma frase que defina São Paulo.
JP: Quem procura, acha.

 

*Foto: José de Holanda

Envie para um amigo

Artes VisuaisExposição
ACERVO EM TRANSFORMAÇÃO: MUSEUM OF CONTEMPORARY ART CHICAGO
Artes VisuaisExposição
ACERVO EM TRANSFORMAÇÃO: MUSEUM OF CONTEMPORARY ART CHICAGO
Acervo em transformação é o título da exposição de longa duração da coleção do MASP. Os trabalhos são expostos nos cavaletes de cristal — placas de vidro encaixadas em um bloco de concreto. Os cavaletes de cristal ficam dispostos em fileiras na sala ampla, livre de divisórias, do segundo andar do museu. Retirar as obras […]
LOCAL
CATEGORIAS
Contato
para dicas:
para anunciar: