São Paulo
Hip-hop no Centro de São Paulo
Por: Renato Dias
09 de novembro de 2015


Foto: Rare Music VideoNos anos 1980, na região central da capital paulista, mais precisamente no Largo São Bento, surgiu o primeiro movimento de hip-hop do Brasil com seus B-boys, MCs e DJs. Desse marco histórico da cultura de rua surgem nomes como MC Jack, Thaide, DJ Hum, grupos de rap como Código 13 e Credo, e os grupos de break Back Spin e Nação Zulu.

 

Já no final da década de 1980 e início dos anos 1990, surge o movimento de hip-hop na Praça Roosevelt, também no centro de São Paulo. Estes encontros aconteciam aos sábados à tarde, e nele os participantes se encontravam para praticarem a dança e discutirem ações socias e étnicas dentro do movimento em resposta à repressão policial.

 

Outros nomes fizeram valer a honra e ajudaram a contruir e fortalecer o movimento antes mesmo das chamadas “posses” e as mais recentes “rinhas de MCs” ganharem força. Para citar alguns rappers e DJs que atuavam na Praça Roosevelt, tivemos MC MT Bronx, grupo Balanço Negro, Bad Boy e DJ Tubarão, todos estes da zona leste; o grupo Styllo Selvagem, do MC Blow, da zona Oeste (Pinheiros) e o Grupo Bombeta da zona norte (Vila Medeiros/JB), do qual fiz parte.

 

Esses encontros ganharam cada vez mais força pela cidade, o que fez com que em 1988 surgisse o Sindicato Negro – a primeira posse de rappers do Brasil. Era a voz da periferia fazendo a sua consagração.

Envie para um amigo

Renato Dias é compositor, pesquisador do samba paulista e fundador do G.R.R.C. Kolombolo diá Piratininga. Escreve mensalmente aqui sobre a influência da cultura paulista na cultura paulistana.

Colaborações
veja mais
Artes VisuaisExposição
ACERVO EM TRANSFORMAÇÃO: MUSEUM OF CONTEMPORARY ART CHICAGO
Artes VisuaisExposição
ACERVO EM TRANSFORMAÇÃO: MUSEUM OF CONTEMPORARY ART CHICAGO
Acervo em transformação é o título da exposição de longa duração da coleção do MASP. Os trabalhos são expostos nos cavaletes de cristal — placas de vidro encaixadas em um bloco de concreto. Os cavaletes de cristal ficam dispostos em fileiras na sala ampla, livre de divisórias, do segundo andar do museu. Retirar as obras […]
LOCAL
CATEGORIAS
Contato
para dicas:
para anunciar: