Porto Alegre
Local:
Fundação Iberê Camargo
Avenida Padre Cacique, 2000
Porto Alegre
(+55 51) 32478000
Horário:
Das 14h às 19h
$
Grátis
Exposição
Exposição: Se o paraíso fosse assim tão bom

Cecily Brown é uma das artistas de maior destaque na pintura contemporânea mundial. Na década de 1990, quando ela começou a produzir em meio a uma ascendente e vigorosa geração de artistas britânicos de matriz conceitual, sua adesão à pintura e seu interesse em observar, atentamente, a obra dos grandes mestres podia soar inusitada. Hoje, está claro que as diversas camadas de diálogo estabelecidas por Brown com a história da arte alimentam uma prática experimental singular. O aspecto mais destacado pela crítica é sua habilidade de fazer pulsar imagens no interior de dinâmicas camadas de tinta, sem distinguir definitivamente figuras e fundo, ou forma e matéria.

Nesta exposição, as conversas sobre a definição das obras passam pela história da arte, envolvendo artistas tão diversos quanto Hieronymus Bosch, Michelangelo Buonarroti, Jan Brueghel e Peter Paul Rubens. O ponto em comum entre essas referências e as obras de Brown é o interesse pelo paraíso. Na visão dela o paraíso é um campo de batalha, no qual forças opostas do bem e do mal, da luz e da escuridão, estão em perpétuo estado de tensão. Tal estado manifesta-se em cores, corpos e movimentos que transpiram um dinamismo desafiador à ordem estática da pintura. Como lastro criativo, aludem ao tratamento dado a cenas paradisíacas pintadas por artistas canônicos, nas quais humanos e bestas coexistem em uma irrealidade que é tão exuberante e fecunda quanto melancólica. Para Brown e os artistas que a antecederam, o paraíso parece ser interpretado como cenário de uma dança delicada, um duelo de forças, ao mesmo tempo sedutor e agourento, que demarca a natureza do paraíso: um ideal inatingível e irresistível.

Um agradecimento especial ao estúdio de Cecily Brown, a Andrea Crane e à própria artista, cujo entusiasmo por expor no Brasil foi inspirador e indispensável. exibindo um conjunto representativo de sua obra. A lealdade à velha pintura, ao mesmo tempo em que experimenta algo novo, revelando a complicada relação entre figuração e abstração e um certo jogo entre forças tradicionalmente antagônicas – como o bem e o mal ou a calma e o dinamismo. Por tornar isso possível, é preciso agradecer a Ricardo Kugelmas, que iniciou diálogos e criou pontes; ao Britsh Council e em especial ao Instituto Tomie Ohtake.

 

Envie para um amigo!

Cinema
Cinema
Mostra Hong Sang-Soo: a complexa simplicidade do cotidiano
Mostra Hong Sang-Soo: a complexa simplicidade do cotidiano
Cinema
Mostra Hong Sang-Soo: a complexa simplicidade do cotidiano
Mostra Hong Sang-Soo: a complexa simplicidade do cotidiano
Artes Visuais, Exposição
Artes Visuais, Exposição
Exposição “O mundo é minha pátria”
Aliança Francesa
Artes Visuais, Exposição
Exposição “O mundo é minha pátria”
Aliança Francesa
Música, Show
Música, Show
Nação Zumbi
Bar Opinião
Música, Show
Nação Zumbi
Bar Opinião
Literatura
Literatura
Festival Rastros do Verão 2019
Livraria Baleia
Literatura
Festival Rastros do Verão 2019
Livraria Baleia
CATEGORIAS
Contato
para dicas:
para anunciar: