Porto Alegre
Local:
Estreito da Chosen
Rua Vasco da Gama, 542
Porto Alegre
Horário:
Das 18h às 00h
$
Grátis
Exposição
Cobrio ©

O agrupamento de pessoas, seres, objetos ou animais da mesma espécie, em gramática, é chamado substantivo coletivo; palavra que mesmo no singular representa a pluralidade. O Brio é coletivo e indivíduo, vozes consonantes que se encontram em processos criativos, colaborativos e experimentais – em uma rede de afeto e confiança.

Na exposição COBRIO coexistem, coabitam e convivem alguns binômios como, forma/conteúdo, imaginação/realidade, subjetividade/objetividade. O prefixo CO remete ao que é realizado em conjunto, de forma cooperativa. Ao mesmo tempo que cobre as vertigens visuais desses indivíduos em diferentes materialidades: serigrafia, bordado, ilustração, fotografia e tipografia.

Sobre o coletivo Brio:
Somos coletivo e indivíduo. Quando juntos damos forma a coisas e quando separados também. Cada um escolheu diferentes formas de se expressar visualmente, fora do projeto de design. Ilustração, serigrafia, bordado, fotografia, tipografia. Tudo é o nosso trabalho como coletivo ao mesmo tempo que mostra um pouco de nós. Olhando aqui, de forma separada, se percebe o pouquinho que todo mundo contribui para sermos o que somos.

Alice Meditisch: o bordado como apropriação, intervenção e possibilidade de ressignificação da memória.

Alice Oliveira: interconectando expressões artísticas – primitiva e contemporânea – no contexto do ativismo urbano e estimulando a igualdade de gênero.

Asdrubal Fabris: fantasia e melancolia se encontram na fauna íntima do ilustrador.

Camila Bermudez: suas gravuras exploram diferentes signos e formas para representar a fluidez e movimento dos corpos e das águas, traz nas fotografias analógicas e digitais a apreciação por estruturas geométricas e cenas urbanas.

Guilherme Robaski: o bordado como narrativa da existência introspectiva, criação de superfícies, lugares isolados e casas fixas em oposição ao movimento.

Natalia Blauth: paisagens naturais, experiência da fotografia analógica, o espelho e a presença.

Marcos Oliveira: expressa na tipografia uma reflexão sobre a unidade mínima da comunicação oral através das letras e suas variações formais.

Curador: Pedro Bevilacqua

Até 08/12

Envie para um amigo!

Música, Performance, Teatro
Música, Performance, Teatro
Fuerza Bruta Look Up
Espaço de eventos Bourbon Wallig
Música, Performance, Teatro
Fuerza Bruta Look Up
Espaço de eventos Bourbon Wallig
Música, Performance
Música, Performance
11º Slam da Tinga
11º Slam da Tinga
Música, Performance
11º Slam da Tinga
11º Slam da Tinga
Artes Visuais
Artes Visuais
NADA EXPLÍCTO | Ali do Espirito Santo
Instituto Artes Visuais RS – Casa de Cultura Mario Quinta
Artes Visuais
NADA EXPLÍCTO | Ali do Espirito Santo
Instituto Artes Visuais RS – Casa de Cultura Mario Quinta
Cinema
Cinema
Mostra Quanto Mais Quente Melhor
Cinemateca Capitólio
Cinema
Mostra Quanto Mais Quente Melhor
Cinemateca Capitólio
CATEGORIAS
Contato
para dicas:
para anunciar: