Local:
Instituto Tomie Ohtake
Rua Coropé, 88
Pinheiros - São Paulo
(11) 3814-0705
Horário:
das 11h às 20h
$
Grátis
Artes Visuais, Exposição
Cecily Brown – Se o paraíso fosse assim tão bom

Cecily Brown, artista inglesa que emergiu nos anos 90 e hoje é uma das pintoras mais celebradas internacionalmente, apresenta “Se o paraíso fosse assim tão bom”, exposição formada por um conjunto de trabalhos desenvolvidos na última década de sua carreira. As dez pinturas e os oito desenhos selecionados pela artista em diálogo com Paulo Miyada, curador do Instituto Tomie Ohtake, representam a frequente reflexão de Brown sobre um assunto que a tem fascinado: o paraíso.

As pinturas são repletas de cor e movimento; faces – animais e humanas – espreitam os espectadores por entre véus de cor; figuras exploram o espaço pictórico e recusam-se à imobilização e fixação. Tudo está movimento, nada está assentado. Os trabalhos apresentam-se no meio da narrativa, transpirando um dinamismo que desafia a natureza estática da pintura. Eles revelam e escondem na mesma medida, solicitando ao espectador que olhe de novo e de novo.

Uma característica muito discutida pelos críticos acerca do trabalho poderá ser apreciada pelos visitantes: as obras apresentam uma tensa relação entre figuração e abstração: é possível reconhecer corpos, animas e plantas emaranhados, mas também é possível deixar de enxergá-los e perceber apenas manchas e campos de cor dinamicamente posicionados. Isso decorre do modo único que a artista desenvolveu para evocar cenas e situações sem prendê-las em contornos rígidos, ao mesmo tempo em que experimenta com espontaneidade e vigor as possibilidades plásticas da pintura com tinta à óleo sem limitar-se por planos previamente definidos.

Graças a essa atitude, a visão de Brown sobre o paraíso lembra um campo de batalha, mas livre de insinuações moralizantes. “É difícil precisar se os paraísos de Cecily Brown seriam, afinal, mais ou menos toleráveis do que as versões idílicas que os precederam. Seus aspectos associáveis ao inferno (dinamismo, choque e confusão) seriam talvez bem-vindos para os cidadãos do presente, tão apaixonados pelo espetáculo de gratuidade e destruição que desfila nas velhas e nas novas mídias dia após dia, minuto a minuto”, pondera Miyada.

Nestas pinturas, ao invés de ensaiar a calma batalha entre o bem e o mal, Brown luta com a relação entre essas forças opostas, como elas interagem e se tensionam. É a coexistência perpétua do bem e do mal, da luz e da escuridão, e a tensão produtiva criada por essa mistura que fascinam a Brown. Ela se volta a representações do paraíso que exploram a inquietante natureza da utopia. Sua obra é inspirada pelo tratamento dado ao tema por artistas como Hieronymus Bosch, Michelangelo Buonarroti e Jan Breughel. Esses artistas canônicos pintaram cenas paradisíacas, nas quais humanos e bestas coexistem em uma irrealidade que é tão exuberante e fecunda quanto melancólica. Assim como Brown, eles entenderam que o paraíso é precário. É o cenário de uma dança delicada, um duelo de forças ao mesmo tempo sedutor e agourento. Brown usufrui dessa instabilidade e impregna seus trabalhos com uma beleza entrópica. Evocando as portentosas palavras de W.B. Yeats, “things fall apart, the center cannot hold” (livremente traduzido como “as coisas se desintegram, não é possível segurá-las”), o conjunto de pinturas de Cecily Brown sugere que talvez seja a natureza intangível e efêmera do paraíso que o transforme nisso: um ideal inatingível e irresistível.

Cecily Brown nasceu em Londres em 1969. Seu trabalho figura em coleções públicas como: Solomon R. Guggenheim Museum, Nova York; Whitney Museum of American Art, Nova York; MFA, Boston; Tate Gallery, Londres; Hirshhorn Museum and Sculpture Garden, Washington, D.C.; e National Gallery of Art, Washington, D.C.. As suas principais exposições individuais incluem mostras em museus como Hirshhorn Museum and Sculpture Garden, Washington, D.C. (2002); MACRO, Roma (2003); Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, Madri (2004); Museum of Modern Art, Oxford (2005); Kunsthalle Mannheim (2005–06); Des Moines Art Center, Iowa (2006); Museum of Fine Arts, Boston (2006–07); Deichtorhallen, Hamburgo (2009); Kestner Gesellschaft, Hanôver (2010, itinerante para GEM, Museum of Contemporary Art, Haia); e Galleria d’Arte Moderna e Contemporanea, Turim (2014). A artista também realizou inúmeras exposições individuais em galerias, incluindo: Gagosian Gallery, Maccarone Gallery, Victoria Miro, CFA, Kukje Gallery, entre outras. Brown vive e trabalha em Nova York.

Até 27 de maio
Terça a domingo das 11h às 20h

Envie para um amigo!

Música
Luis Aranha
21h
R$ 20 (antecipado); R$ 40 (na porta)
Música
Luis Aranha
Uma procura contínua para manter-se “humano” no meio de relações cada vez mais efêmeras e fugazes em cidades cada dia mais verticais. Uma renovada busca por um lugar “ONDE BATE SOL”, disco de Luis Aranha que dá nome a este show no Teatro da Rotina.
LOCAL
HORÁRIO
$
R$ 20 (antecipado); R$ 40 (na porta)
Happy Hour
Cremosa Vinil
das 17h às 19h
Grátis
Happy Hour
Cremosa Vinil
Cremosa Vinil é um trio feminino de discotecagem criado em 2017 por Laura Mercy, Rafa Jazz e Julia Weck, que foram unidas pelo gosto da música que desliza, condensa e faz os corpos escorrerem. Os sets inteiramente em vinil abrangem diferentes gêneros musicais, tendo como ponto de partida a cremosidade, passando pelo jazz, soul, funk, […]
LOCAL
HORÁRIO
$
Grátis
Música
Saiko Soul toca Hiatus Kaiyote
21h30
R$ 20 (antecipado); R$ 25 (na porta)
Música
Saiko Soul toca Hiatus Kaiyote
Após o sucesso da primeira edição, o grupo Saiko Soul volta ao JazzNosFundos para prestar uma homenagem à banda australiana Hiatus Kaiyote, conhecida por ser uma das pioneiras e mais influentes do gênero Neo Soul. Para o especial show de hoje o grupo tem o prazer de convidar Gustavo Carvalho e Pedro Lacerda para fazer […]
LOCAL
HORÁRIO
$
R$ 20 (antecipado); R$ 25 (na porta)
Música
Toinho Melodia
20h
R$ 30 (antecipado); R$ 35 (na porta)
Música
Toinho Melodia
Um dos principais nomes do samba de São Paulo, Toinho Melodia está lançando seu primeiro disco: Paulibucano. O álbum narra a trajetória do menino que deixa a periferia de Recife para se tornar compositor na maior cidade do país, entre bambas do samba. Com arranjos do maestro Edson Alves e idealizado pelo jovem sambista e […]
LOCAL
HORÁRIO
$
R$ 30 (antecipado); R$ 35 (na porta)
- Mais Uia -
17/09/2015
UiaTV – Rodrigo Campos
Por: Alice Coutinho
No quarto vídeo do UiaTV, Rodrigo Campos finaliza as gravações de seu novo disco Conversas com Toshiro no estúdio da yb music, e fala sobre o processo de criação do disco. Direção, vídeo e edição: Murilo Alvesso Agradecimento: yb music
23/06/2015
Cícero
Por: Ana Clara Martins Tenório
Em uma sexta feira fria na capital de São Paulo, o teatro do SESC Pinheiros era certeza de ser um dos locais mais calorosos para a noite do dia 19 de abril.   Com ingressos esgotados desde o dia de início das vendas, o cantor Cícero apresentou seu novo trabalho intitulado “A Praia” (2015), mas […]