Local:
Instituto Tomie Ohtake
Rua Coropé, 88
Pinheiros - São Paulo
(11) 3814-0705
Horário:
das 11h às 20h
$
Grátis
Artes Visuais, Exposição
Alucinações parciais

Ao realizar Alucinações Parciais, nome inspirado na obra de Salvador Dalí, presente na mostra, o Instituto Tomie Ohtake e o Centre Pompidou inovam ao proporem uma “exposição-escola” com obras-primas de 20 dos maiores artistas modernistas do Brasil e do mundo. O novo formato pretende oferecer uma experiência em que o público possa se aproximar ainda mais dos trabalhos, de seus respectivos autores e do movimento histórico.

O conceito de “exposição-escola” torna-se claro no próprio desenho do espaço expositivo, em que uma arena-auditório central receberá uma intensa programação. Durante todo o período em que a mostra estiver em cartaz, o Instituto Tomie Ohtake promoverá, diariamente, debates, aulas, palestras, workshops, performances, ateliês e visitas orientadas a fim de estabelecer trocas com o público para aprofundar, investigar e ressignificar narrativas relativas ao marcante período da história da arte no século XX. A programação completa conta com mais de 150 atividades. A proposta vai ao encontro da intenção do Instituto de difundir obras e contextos artísticos de grande relevância e abrir caminhos para o debate crítico e a atualização do sentido histórico de cada época.

Concebida por meio de um diálogo entre Frédéric Paul, curador da exposição (Centre Pompidou), e Paulo Miyada, curador adjunto (Instituto Tomie Ohtake), a mostra coletiva pretende esgarçar a discussão sobre o modernismo europeu e brasileiro com dez obras-primas de nomes históricos pertencentes ao Centre Pompidou, que raramente saíram de seu acervo, e dez obras-primas de artistas brasileiros, provenientes das coleções do MASP, Pinacoteca, Museu de Belas Artes- RJ e particulares.

No conjunto do Centre Pompidou estão os artistas e as respectivas obras: Fernand Léger, Adeus Nova York, 1946; Georges Braque, Natureza-morta com violino, 1911; Henri Matisse, Ponte Saint-Michel, c.c 1900; Joan Miró, A Sesta, 1925; Man Ray, Uma noite em Saint-Jean-de-Luz, 1929; Pablo Picasso, Arlequim, 1923; Paul Klee, Rítmico, 1930; Robert Delaunay, Torre Eiffel, 1926; Salvador Dalí, Alucinação parcial. Seis imagens de Lenin sobre um piano, 1931; Vassily Kandinsky, Quadro com Mancha Vermelha, 1914.

Já na seleção de brasileiros estão as pinturas de Anita Malfatti, A estudante, 1915; e O lavrador de café, 1939, de Cândido Portinari; três aquarelas de Cícero Dias, Sonho Tropical, 1929, Sem título, 1928, e Fábula, década de 20; uma escultura de Maria Martins, Tamba-tajá, 1945; a tela de Vicente do Rego Monteiro, Atirador de Arco, 1925; o óleo de Flávio de Carvalho, Ascensão definitiva de Cristo, 1932; o retrato Léa e Maura, 1940, de Alberto da Veiga Guignard; e as obras Menino com lagartixa, 1924, A Feira II, 1925, e  Sem título (autorretrato com Adalgisa), 1925, de Lasar Segall, Tarsila do Amaral e Ismael Nery, respectivamente.

Segundo os curadores, a exposição experimenta uma abordagem no cerne do modernismo europeu e brasileiro, quando Paris ocupava o lugar central em uma rede cultural global que se estabelecia por meio de intercâmbios, contaminações e misturas. “Quão forte é o laço que consegue produzir algum ponto de contato entre o russo Kandinsky e a paulistana Malfatti? Como pode um artista, como Rego Monteiro ou Picasso, ser simultaneamente exótico e exotizante, dependendo de onde os olhamos? O que fazer com a formação vanguardista e a trajetória emigrante de, digamos, Lasar Segall (ou, no sentido inverso, de Man Ray)?”, indaga Miyada.

Por sua vez, Frédéric Paul defende que o rigor científico exigido na construção didática da história da arte pode passar ao largo das obras ao deixar zonas de sombra entre datas e citações. “As obras, sobretudo as mais importantes, nunca se mostram tais quais são. Estão plasmadas pela história e por histórias que as tornam visíveis”, diz, parafraseando Paul Klee.

Até 10 de junho
Terça a domingo das 11h às 20h

Envie para um amigo!

Cinema
Cineclube Noite na Taverna
20h
Grátis
Cinema
Cineclube Noite na Taverna
O Cineclube Noite na Taverna e Clube V.U convidam vocês para homenagear o mestre do Cinema de Horror e do Fantástico, o Zé do Caixão. – 2 episódios da série “Zé do Caixão” ● Episódio 1: Sina do Pistoleiro – Diretor: Vitor Mafra ● Episódio 2: A Meia Noite Levarei Sua Alma – Diretor: Vitor Mafra […]
LOCAL
HORÁRIO
$
Grátis
Artes VisuaisExposição
Ocupação Angel Vianna
das 9h às 20h
Grátis
Artes VisuaisExposição
Ocupação Angel Vianna
O Itaú Cultural inaugura sua série de exposições do ano com um dos principais nomes da história da dança no Brasil, Angel Vianna. Bailarina, coreógrafa e pesquisadora do movimento, Angel realiza desde a década de 1950 uma profunda investigação voltada para o corpo e o seu deslocamento no espaço. A Ocupação Angel Vianna revela momentos importantes […]
LOCAL
HORÁRIO
$
Grátis
Artes VisuaisExposição
Véio – A Imaginação da Madeira
das 9h às 20h
Grátis
Artes VisuaisExposição
Véio – A Imaginação da Madeira
Um dos dez escolhidos pelo Prêmio Itaú Cultural 30 Anos, promovido em 2017 para destacar artistas cuja contribuição impactou o cenário cultural brasileiro nas últimas três décadas, Véio – ou Cícero Alves dos Santos – trabalha com madeira e cria peças de dimensões variadas, indo de um palito de fósforo até troncos grandiosos. O Itaú Cultural […]
LOCAL
HORÁRIO
$
Grátis
Música
Terça Jazz
21h
R$ 7
Música
Terça Jazz
O Trio Estônia se apresenta todas as terças no térreo do restaurante Ramona, com repertório de jazz francês! Durante as apresentações, todos os drinques com gim no cardápio do Ramona são oferecidos em dobro pela Citadelle. Formado por Daniel Szafran (teclado e voz), Claudio Faria (trompete e flugelhorn) e Igor Pimenta (contrabaixo), o grupo toca […]
LOCAL
HORÁRIO
$
R$ 7
- Mais Uia -
17/09/2015
UiaTV – Rodrigo Campos
Por: Alice Coutinho
No quarto vídeo do UiaTV, Rodrigo Campos finaliza as gravações de seu novo disco Conversas com Toshiro no estúdio da yb music, e fala sobre o processo de criação do disco. Direção, vídeo e edição: Murilo Alvesso Agradecimento: yb music
23/06/2015
Cícero
Por: Ana Clara Martins Tenório
Em uma sexta feira fria na capital de São Paulo, o teatro do SESC Pinheiros era certeza de ser um dos locais mais calorosos para a noite do dia 19 de abril.   Com ingressos esgotados desde o dia de início das vendas, o cantor Cícero apresentou seu novo trabalho intitulado “A Praia” (2015), mas […]